Arquivo da categoria: Uncategorized

+Premiados jornalistas da história

6290_1O Jornalistas&Cia divulgou a lista dos jornalistas brasileiros mais premiados da história. Veja a lista completa aqui. Estou feliz, claro: meu nome está em 71° lugar.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Jornalismo, Uncategorized

Ajude a Amazônia; salve o heroico Jornal Pessoal, voz e fiscal da região há 29 anos

jpLeia o texto abaixo e depois, se puder, clique AQUI para contribuir.

Há 29 anos, uma voz solitária fiscaliza os três poderes e as grandes corporações da Amazônia. Seu nome: Lúcio Flávio Pinto.

Em 1987, depois de cobrir a Amazônia para alguns dos maiores jornais e revistas do país, o jornalista e sociólogo Lúcio Flávio fundou o Jornal Pessoal. Para que pudesse ter total independência, o jornal nunca aceitou publicidade. Desde então, sobrevive apenas com os recursos arrecadados com as vendas em banca.

Sediado em Belém, no Pará, e com edição quinzenal, o Jornal Pessoal é mais longevo veículo alternativo da imprensa contemporânea do Brasil –  não, contudo, sem um imenso sacrifício pessoal.

Em razão das denúncias publicadas no Jornal Pessoal, Lúcio Flávio já foi alvo de 34 processos judiciais (4 ainda em curso), recebeu inúmeras ameaçasm, inclusive de morte, e foi agredido fisicamente por poderosos da Amazônia que gostariam que o Jornal Pessoal não existisse.

O Jornal Pessoal é sinônimo de jornalismo investigativo e combativo na Amazônia. Para citar um único exemplo, foi Lúcio Flávio quem desvendou a morte do ex-deputado Paulo Fonteles de Lima, primeiro advogado a defender posseiros em conflitos de terra no Pará.

Seu trabalho é reconhecido no Brasil e no exterior. Veja alguns dos prêmios recebidos por Lúcio Flávio:

* Prêmio Colombe d’Oro per la Pace, concedido pela ONG italiana Archivio Disarmo em reconhecimento à sua significativa contribuição na promoção da paz;

* Internacional Press Freedom Award, concedido pelo Committee to Protect Journalists (CPJ), sediado em Nova York, como reconhecimento por seu destacado trabalho na defesa da liberdade de imprensa;

* Prêmio Esso (quatro vezes), o mais importante da imprensa nacional;

* Prêmio Wladimir Herzog, o mais importante do Brasil na área de jornalismo e direitos humanos;

Lúcio Flávio é o único brasileiro na lista dos mais importantes jornalistas do mundo da ONG Repórteres Sem Fronteiras, com sede em Paris;

Ele também tem uma profunda relação com a academia, já tendo sido:

* Professor visitante do Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade da Flórida em Gainesville, EUA;

* Professor visitante no Núcleo de Altos Estudos Amazônicos e no Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Com mais de 50 anos de atuação no jornalismo, Lúcio Flávio tem 21 livros publicados.

Apesar de sua gigantesca e heroica folha de serviços prestados à Amazônia, o Jornal Pessoal de Lúcio Flávio Pinto corre o risco de acabar. Os recursos angariados com a venda em banca já não são suficientes para cobrir seus (módicos) custos (R$ 5.840 por mês). Nos últimos tempos, Lúcio Flávio tem feito dívidas pessoais para continuar bancando o jornal, mas há muito já ultrapassou o limite do possível. Caso não receba um aporte extra, o Jornal Pessoalencerrará suas atividades no começo de 2017.

Esta “caixinha” tem como objetivo levantar recursos para bancar os custos do Jornal Pessoal durante dois anos. Não é uma solução definitiva, mas já é um bom começo.

Às vésperas do 30º aniversário do Jornal Pessoal, esse é o melhor presente que você poderia dar à Amazônia, maior fronteira de recursos naturais do planeta.

Colabore! Divulgue! Não deixe a Amazônia perder uma de suas vozes mais importantes!

Para colaborar, clique AQUI.

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Seis meses separam o impeachment “moralizador” do caso Temer-Geddel: como chegamos até aqui?

Neste artigo, publicado no Intercept, tento explicar como o Brasil se tornou um novelão de mau gosto.

The_Intercept_2015_Logo

Deixe um comentário

Arquivado em Escritos de Lucas na imprensa, Imprensa, Política, The Intercept, Uncategorized

Notícias de “Lugar Nenhum” [8]

254a3c_fa29f4496a6a422d9d675e97fb8f7acbA excelente revista eletrônica Peixe-elétrico, edição #4 (março-abril/2016), publica uma entrevista comigo em que falo do meu último livro, “Lugar Nenhum”. Abaixo, a íntegra da entrevista:

Os arquivos da ditadura

Entrevista com Lucas Figueiredo

Pesquisador da Comissão Nacional da Verdade (o que não o impede de fazer várias críticas ao trabalho do grupo), Lucas Figueiredo tem vários livros sobre a ditadura militar brasileira, com destaque para Morcegos negros e Ministério do silêncio. Em 2015, publicou Lugar nenhum – militares e civis na ocultação dos documentos da ditadura, em que refaz os discursos oficiais sobre o sumiço da documentação histórica sobre os anos de chumbo e mostra a incoerência entre eles e o descaso das autoridades sobre o assunto. Abaixo entrevista exclusiva concedida à Peixe-elétrico.

Peixe-elétrico: Você enxerga a “cultura do denuncismo” como vital para a manutenção dos centros de informação durante a ditadura militar, por exemplo no Cenimar (pág. 22). No próprio livro você mostra como muitos elementos da ditadura continuam muito presentes na vida brasileira. Você enxerga esse tipo de cultura em algum setor da nossa vida cotidiana?

Lucas Figueiredo: O principal pilar que fez com que a ditadura civil-militar no Brasil se sustentasse durante 21 anos foi o rígido controle da sociedade, o que muitas vezes resultava no controle da vida de cada cidadão. Para punir, era preciso vigiar. E para vigiar era preciso ter informação. O projeto das Forças Armadas era um arremedo do projeto totalitário descrito em “1984” por George Orwell. Havia, portanto, um aparato gigante que vivia de levantar e processar informações. E esse aparato dependia de espiões, que eram “plantados” na sociedade, e de informantes, que eram “colhidos”. Esse projeto investiu pesadamente na “cultura do denuncismo”, seja por intermédio de prêmios em dinheiro e favor, seja por afinidade ideológica e moral, seja pela força e pela ameaça. Essa “cultura do denuncismo” cresceu e floresceu, mas ela nasce de um projeto de poder muito bem elaborado. E implantado como estratégia de guerra.

O livro está estruturado segundo a organização dramatúrgica. Qual é a razão disso? Vivemos no interior de uma farsa?

A ocultação dos arquivos da ditadura e da cumplicidade do poder civil nesse processo é certamente uma história banhada de farsa. Por décadas, os militares assumiram sozinhos o papel de vilão dessa história, encobrindo a participação dos civis na ocultação dos arquivos. A farsa também nos levou a atomizar a figura do vilão no velho torturador de óculos Ray-Ban e com cara de malvado. Mas a verdade é que a máquina de moer gente que funcionou na ditadura foi desmontada sem que houvesse punições graças a civis de camisa de colarinho alto e gravatas impecáveis, muitos deles de partidos de centro e de esquerda. “Gente cheirosa”, como gostava de dizer o então presidente Lula, ele próprio um ativo personagem na estratégia de manter os arquivos da ditadura dentro de gavetas trancadas. Quando eram presidentes, Lula e Fernando Henrique Cardoso acionaram a Advocacia Geral da União para tentar impedir que a Justiça Federal ordenasse a abertura dos arquivos dos combates contra a Guerrilha do Araguaia. Dilma Rousseff não foi diferente de José Sarney no que tange à submissão às Forças Armadas. Fernando Collor e Itamar Franco, idem. Definitivamente, a farsa é sal dessa história.

Você identifica no livro que as autoridades militares parecem ter feito uma triagem nos próprios documentos, decidindo o que vai e o que não vai ser visto. Esse tipo de procedimento seletivo existe em outras instâncias da sociedade brasileira. Muita gente acredita que a justiça, por exemplo, é seletiva, privilegiando esse e não aquele réu. Existe alguma relação entre essas possíveis “seletividades”?

Pouco antes do fim da ditadura, as FFAA fizeram sim uma seleção de seus arquivos, separando o que não deveria ser levado a público. Parte desse material foi destruída, parte foi simplesmente ocultada, como continua a ser até hoje, conforme demonstro no meu livro. Portanto, trata-se aqui de destruir ou esconder provas de crimes. A seletividade que acontece em seguida está relacionada ao fazer justiça. O poder civil, sobretudo o Executivo e o Legislativo, selecionaram os militares e civis que operavam a engrenagem da repressão e disseram que essas pessoas não precisavam ajustar suas contas com a Justiça. Em outras palavras: tornaram-se pessoas imunes, sobre as quais caiu o véu da impunidade. A impunidade de ontem se reflete na impunidade de hoje. Um PM que sobe a favela e mata um jovem negro tem imunidade, pode ficar impune. Uma guarnição militar que sobe a favela e mata 15 suspeitos, a queima-roupa, sai ilesa. Sob esse pondo de vista, a impunidade seletiva da redemocratização tem sim um reflexo nos tempos de hoje.

No final do livro você apresenta algumas críticas à Comissão Nacional da Verdade. É possível dizer que ela no geral espelhou o comportamento dos sucessivos governos no que diz respeito à investigação dos crimes da ditadura, agindo também seletivamente, ou essa afirmação é forte demais?

A principal função da Comissão Nacional da Verdade era fazer um relato pormenorizado das graves violações contra os direitos humanos ocorridas na ditadura civil-militar. Pesquisadores da CNV acabaram obtendo documentos que mostram que muitos dos arquivos da ditadura que revelam essas graves violações dos direitos humanos continuam sob a guarda das Forças Armadas, que se negam a torná-los públicos, a despeito de decisões em contrário da Justiça Federal e de resoluções emitidas pela própria CNV. Na mesma pesquisa, a CNV também descobriu que a ocultação desses arquivos pelos militares só foi (e ainda é) possível porque eles contam com cumplicidade do poder civil. De posse dessas informações, o que então faz a CNV? Nada! No relatório final da comissão, não há uma única menção à participação civil na ocultação dos arquivos da ditadura. O silêncio da CNV é escandaloso. E ecoa um silêncio que já faz parte da nossa história.

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Notícias de “Lugar Nenhum” [4]

brasil_1024x576Aqui, a reportagem da BBC Brasil sobre “Lugar Nenhum”.

Deixe um comentário

Arquivado em Direitos humanos, Livro-reportagem, Lucas na mídia

Notícias de “Lugar Nenhum” [3]

canal-redeminasEntrevista para o programa Agenda, da Rede Minas, em que falo sobre “Lugar Nenhum: militares e civis na ocultação dos documentos da ditadura”.

3 Comentários

Arquivado em Direitos humanos, Livro-reportagem, Lucas na mídia

Notícias de “Lugar Nenhum” [2]

Confira abaixo o que a imprensa tem escrito e falado sobre Lugar Nenhum – Militares e civis na ocultação dos documentos da ditadura:

. Carta Capital, aqui;

. Rádio Jovem Pan, aqui;

. Jornal Estado de Minas, aqui;

. Jornal Hoje em Dia, aqui;

. IstoÉ, aqui;

2 Comentários

Arquivado em Direitos humanos, História do Brasil, Livro-reportagem, Lucas na mídia