[EXCLUSIVO] Militares continuam dando as cartas no serviço secreto

General Elito: serviço secreto sob influência verde oliva

O general José Elito, ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), venceu de novo: o serviço secreto, órgão civil que responde hoje pela sigla Abin (Agência Brasileira de Inteligência), permanece sob as asas do Exército.

Depois de ensaiar voo independente, a Asbin (Associação dos Servidores da Abin) deu meia volta e acabou se alinhando novamente ao GSI. Após anular a eleição da nova diretoria, em outubro, a Asbin realizou novo pleito no último dia 25. Desta vez, com chapa única. Assim, o presidente da Asbin, Robson Vignoli, alinhado ao GSI, foi reconduzido ao cargo.

Para saber mais sobre o caso, leia aqui.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Inteligência, Militares

2 Respostas para “[EXCLUSIVO] Militares continuam dando as cartas no serviço secreto

  1. Carlos

    Além de sempre estar vinculada à caserna, a inteligência brasileira sobrevive a vários problemas.
    O descomprometimento com os temas relevantes (espionagem no exterior e contraespionagem no País) e o foco em assuntos irrelevantes.
    Não há infiltração em organizações adversas. Nada que seja minimamente perigoso.
    A atividade em um serviço de inteligência real envolve risco.
    Além disso, não há uma oposição a este estado de coisas.
    Todos aqueles que pretendem transformar a Abin em um verdadeiro Serviço Secreto esbarram em vários obstáculos: ameaças institucionais, boicote dos próprios colegas de trabalho, etc, etc.
    As ameaças pairam no ar em todos os sentidos.
    Há um sistema de repressão vivo e ativo, sedento por novos incautos.
    Todos estão dispostos a entregar todos.
    O que realmente importa é pegar um DAS e bajular a chefia.

  2. DANILO CORRÊA

    Estar sobre a asa militar não me parece ser “O” problema. O dever da intelligência é infiltrar agentes em situaçãoes de risco para a segurança nacional, criminalidade organizada e espionagem estrangeira; e filtrar os temas. Infiltrar agentes em greves, seja no MA; seja pela P2P; não é função do do GSI ou Abin. Greve, como diria GV, é caso de política.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s