A quem interessa criar uma falsa crise entre as FFFAA e o poder civil?

Celso Amorim e os comadantes militares: todos naquela reunião seguem a hierarquia

Celso Amorim não gosta dos militares. Celso Amorim é de esquerda. Celso Amorim prefere Irã e Venezuela aos Estados Unidos…

Os militares não gostam de Celso Amorim. Os militares não engolem a esquerda. Os militares enxergam em figuras como Mahmoud Ahmadinejad e Hugo Chávez – e, obviamente, seus comparsas – inimigos a serem combatidos…

Isso é o que parte da imprensa quer que você pense, mas será mesmo assim?

A leitura chapada dos fatos – às vezes equivocada, às vezes mal-intencionada – leva muitos a uma conclusão rasteira: Celso Amorim não dará certo como ministro da Defesa porque vai trombar com os militares. Duvido. Primeiro: as Forças Armadas de hoje – e eu falo por conhecer – não só estão conscientes da hierarquia devida ao poder civil como também prezam os valores democráticos. Se os militares aceitaram bater continência para um ex-sindicalista e uma ex-guerrilheira, que por força do destino se tornaram comandantes-em-chefe das Forças Armadas, por que não se subordinariam a Celso Amorim, que não é exatamente uma Heloisa Helena da diplomacia?

Os militares são menos suscetíveis a mudanças do que parte da mídia faz crer. Podem até não as querer, mas não marchariam contra o Planalto, por exemplo, contra a abertura dos documentos da ditadura, a instauração da Comissão da Verdade e até, num caso extremo, uma possível revisão da Lei da Anistia.

O Brasil não foi adiante em questões sensíveis na área de direitos humanos não por pressão das Forças Armadas, mas por tibieza do poder civil, por comodismo de presidentes eleitos diretamente, por falta de interesse do Planalto em comprar uma briga que, para boa parte da sociedade, não lhe diz respeito.

Dizer que os militares não aceitam isso ou aquilo é não querer enxergar que o Brasil mudou. Há uma década, Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma enrolam a Aeronáutica na história da compra dos caças e não se ouve um pio na caserna. Não há dinheiro para honrar o sagrado direito dos recrutas a três refeições diárias ou para fazer os navios e aviões se moverem, mas generais, brigadeiros e almirantes não abrem a boca em público.

Não há tensão na caserna com a ascensão de Celso Amorim, só nas redações.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Direitos humanos, Mídia, Militares, Política

2 Respostas para “A quem interessa criar uma falsa crise entre as FFFAA e o poder civil?

  1. Marcelo

    Lucas, vc sabe — muito mais do que eu, aliás — que um segmento da classe militar de fato ainda pensa nessa linha (Amorim é de esquerda, esquerda é ruim, blablabla). A chamada linha dura e seus descendentes. Que, no fim das contas, acredito eu, NÃO é majoritária nas FFAA de hoje em dia.

    Provavelmente a parte da mídia que direciona suas baterias a esse grupo quer apenas mais do mesmo: atuar contra este governo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s