Ricardo Kotscho: troca-troca de ministros foi a pior solução

Tudo azul no Palácio do Planalto? Ricardo Kotscho, que o conhece por dentro, acha que não

Devem ser tucanos os jornalistas que criticam a presidente Dilma Rousseff pela forma e pelo conteúdo de sua mini-reforma ministerial, certo? Errado. A melhor análise – e uma das mais duras – foi feita pelo repórter Ricardo Kotscho, petista de carteirinha e ex-secretário de Imprensa do governo Lula. Leia abaixo:

Troca-troca de ministros foi a pior solução

Balaio do Kotscho

Entre as muitas opções possíveis para reorganizar sua coordenação política após a queda de  Antonio Palocci, a presidente Dilma Rousseff escolheu a pior possível: promoveu simplesmente um troca-troca entre os ministros da Pesca e da articulação política do governo, como se fosse tudo a mesma coisa.

Tirou o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), das Relações Institucionais, como já estava mais do que previsto há vários dias, e colocou em seu lugar a ex-senadora Ideli Salvatti (PT-SC), que até hoje estava comandando o importantíssimo Ministério da Pesca e Aquicultura.

Para completar, não satisfeita em colocar a pessoa errada no lugar errado, Dilma ainda  humilhou Luiz Sérgio, e o transferiu para a Pesca.

Como já escrevi no post anterior, ou a presidente escalou o ministério errado quando assumiu em janeiro, ou está fazendo tudo errado agora. O mais provável é que as duas opções anteriores estejam certas. O conjunto da obra é um fracasso. O ministério como um todo é muito ruim.

Se foi para provar que quem manda é ela, como já critiquei aqui no Balaio pela manhã, e minha colega Christina Lemos, da TV Record de Brasília, confirmou há pouco em seu blog aqui no R7, Dilma Rousseff escolheu o caminho menos indicado num campo em que não pode mais errar: a coordenação política.

A presidente passou as últimas semanas procurando a “Dilma da Dilma” para colocar no lugar de Palocci, encontrou a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), foi aplaudida por todo mundo, e agora pisou no tomateiro inteiro ao escolher o “Lula da Dilma” na pessoa de Ideli Salvatti, que é exatamente o oposto do ex-presidente, um conciliador e negociador por natureza.

Sempre é possível piorar o que já estava muito ruim. A escolha de Ideli Salvatti para a coordenação política do governo, por tudo que conheço dos personagens envolvidos nesta história, é pior do que um tiro no pé. É a onipotência no seu pior momento, um salto no escuro, sem rede de proteção.

E, lá embaixo, no picadeiro, estamos todos nós.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s